Amazon Malaria Initiative

Países da AMI

A sub-região amazônica foi selecionada para obter o apoio da AMI em 2001 porque era onde 88% dos casos de malária reportados da América Latina se originaram, e onde os medicamentos utilizados para tratar a malária P. falciparum estavam se tornando ineficazes. Através da AMI, a USAID agora colabora com uma rede de Programas Nacionais de Controle da Malária na Bacia Amazônica e na América Central para tratar de questões de interesse comum relativas a vigilância, prevenção e controle da malária. As atividades da AMI respondem a todos os países, bem como às necessidades regionais. Entre os países apoiados pela AMI na região amazônica estão: Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru e Suriname. Na América Central, os países participantes são: Belize, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá. Inicialmente, a AMI também incluiu a Bolívia e a Venezuela. A Venezuela encerrou sua participação no final de 2007 e a Bolívia encerrou sua participação em 2013. Outros países que não recebem apoio técnico ou financeiro direto participam em reuniões como observadores.

Map South Central America Ex-país da AMI País da AMI País observador
MapSouthCentralAmerica
  • ANTECEDENTES
  • Belize
  • Bolívia
  • Brasil
  • Colômbia
  • Equador
  • Guiana Francesa
  • Guatemala
  • Guiana
  • Honduras
  • Nicarágua
  • Panamá
  • Peru
  • Suriname
  • Venezuela

A sub-região amazônica foi selecionada para obter o apoio da AMI em 2001 porque era onde 88% dos casos de malária reportados da América Latina se originaram, e onde os medicamentos utilizados para tratar a malária P. falciparum estavam se tornando ineficazes. Através da AMI, a USAID agora colabora com uma rede de Programas Nacionais de Controle da Malária na Bacia Amazônica e na América Central para tratar de questões de interesse comum relativas a vigilância, prevenção e controle da malária. As atividades da AMI respondem a todos os países, bem como às necessidades regionais. Entre os países apoiados pela AMI na região amazônica estão: Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru e Suriname. Na América Central, os países participantes são: Belize, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá. Inicialmente, a AMI também incluiu a Bolívia e a Venezuela. A Venezuela encerrou sua participação no final de 2007 e a Bolívia encerrou sua participação em 2013. Outros países que não recebem apoio técnico ou financeiro direto participam em reuniões como observadores.

Belize has significantly reduced the size of the population at risk for malaria. From 2000–2013, the country’s total malaria cases decreased by 95%. Only 26 total malaria cases were reported in 2013, all of which were investigated. Belize’s Ministry of Health

Bolívia participated in AMI from 2001-2013. Bolívia’s Ministry of Health

Em 2014, o Brasil registrou o menor número de casos de malária nos últimos 35 anos (143,250 casos). O Ministério da Saúde lançou o Plano de Eliminação da Malária em 2015. Brasil’s Ministry of Health

Colômbia is encouraging its citizens to seek more immediate treatment for malaria symptoms throughout outreach activities. Studies carried out in Tierra Alta, Córdoba, in 2004; in Guapi, Cauca, in 2004; and in Apartadó, Antioquia, in 2005 revealed a low level of adherence to courses of treatment for uncomplicated malaria caused by Plasmodium vivax and P. falciparum, and that approximately 48 percent of the interviewed people suffering from malaria do not realize that treatment is free at public health centers. Colômbia’s Ministry of Health and Social Protection

Equador is currently addressing issues with patient adherence to drug protocols, a problem identified by AMI studies conducted by MSH/SPS. Equador’s Ministry of Public Health

Guiana Francesa participates as an observer in AMI Steering Committee meetings. Guiana Francesa’s Regional Health Agency (ARS)

Guiana has been faced with growing infestations of P. falciparum, despite an aggressive program of distributing bed nets. This situation is complicated by the growth of mining activity along the Brazilian border, where malaria is prevalent. The Ministry of Health is struggling to convince citizens to seek treatment at regional health facilities rather than self-medicating using questionable commercially available medications. Nevertheless, malarial infections in Guiana have declined over the past decade. Guiana’s Ministry of Health

Honduras was able to decrease confirmed cases of malaria from over 7,500 in 2011 to over 5,500 in 2013. Honduras’s new National Malaria Strategic Plan began in 2014 and continues through 2017. Honduras’ Health Secretariat

From 2011–2013, Nicarágua’s confirmed cases of malaria increased, along with the total population at risk of malaria. Nicarágua’s Ministry of Health

Panamá information is pending. Ministry of Health of the Republic of Panamá

O número de casos no Peru tem aumentado desde 2011, após uma redução de 61% entre 2001-2010. Os esforços contra a malária se enfocam na região de Loreto, onde 95% dos casos são registrados. Peru’s Ministry of Health

Suriname has achieved a 93% reduction in malaria incidence since 2000. Current efforts towards elimination focus on interior areas of the country where indigenous populations live, and on gold mining areas. According to national malaria guidelines, Rapid Diagnostic Tests (RDTs) are used in gold mining and other remote areas. All positive cases resulting from RDTs are followed up with microscopic diagnosis. However, access to diagnosis remains a logistical challenge. Suriname’s Ministry of Public Health.

Venezuela participated in AMI from 2001-2007. Venezuela’s Ministry of Health

Histórias do campo
Fortalecendo a prevenção e o controle da malária em Chocó, 2006–2009
blood

Uma microscopista coleta uma amostra de sangue para testes de malária em Chocó, na Colômbia, em 2009

Piura trabalha para aperfeiçoar as condições de armazenamento de medicamentos
warehouse

Após a prestação de apoio técnico, a colocação de um telhado protegeu o trabalho de carga e a descarga em áreas do almoxarifado das intempéries e variações climáticas.

Colaborações entre laboratórios oficiais de controle de medicamentos
members of OMCL in photo together in front of building

Os representantes dos Laboratórios Oficiais de Controle de Medicamentos (OMCLs) participaram em setembro de 2009 de uma oficina sub-regional organizada pelo Programa PQM (Promovendo a Qualidade dos Medicamentos) e pela OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) para discutir abordagens sustentáveis para fortalecer os OMCLs nos âmbitos nacional e regional.

Limpo, fresco e organizado: Aperfeiçoamento de de condições de armazenamento de medicamentos no Equador
Clean, cool and collected: Better storage conditions for antimalarials in Ecuador

Armazenamento de medicamentos e suprimentos antes e depois da intervenção

Repensando a gestão farmacêutica em ambientes de baixa incidência
Clean, cool and collected: Better storage conditions for antimalarials in Ecuador

Parceiros da AMI, liderados pelo MSH, reuniram-se em abril de 2010 para tratar aquisição de medicamentos em ambientes de baixa incidência.

Última atualização em: 7/1/2016